HOMENAGEADOS

HOMENAGEADOS

Geraldo Sarno

Homenageado brasileiro – Geraldo Sarno – (Poções, Bahia, 6 de março de 1938) é um roteirista e diretor de cinema brasileiro. O cineasta ficou conhecido por abordar temas como o movimento migratório brasileiro (em especial o nordestino), as religiões e a cultura populares. Em 2008, recebeu o prêmio de Melhor Direção no Festival de Brasília, pelo filme “Tudo isto me parece um sonho”, sobre a história do general pernambucano Ignácio Abreu e Lima, que, ao lado de Simon Bolívar, participou de batalhas que resultaram na libertação da Colômbia, Venezuela e Peru da Coroa Espanhola no século XIX.

Fernando Ezequiel Solanas

Homenageado argentino – Fernando Ezequiel Solanas (in memorian), conhecido como Fernando Solanas ou, ainda, Pino Solanas, foi um cineasta e político argentino. Conquistou o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes em 1988 com o filme “Sur”. Na política, foi deputado federal e senador. Morreu em 6 de novembro de 2020 em um hospital de Paris, aos 84 anos, devido à COVID-19).

Paul Léduc

Homenageado mexicano – Paul Léduc (in menorian). Nascido na Cidade do México, começou a trabalhar com cinema ao final da década de 1960 e durante esse período, passou por um momento de renovação do cinema mexicano, quando se aproximou do movimento do Cinema Novo brasileiro. Ficou conhecido por dirigir “Frida, naturaleza viva” e “Reed, México Insurgente”, este último com o qual foi indicado ao Prémio Ariel de melhor diretor além da obra receber uma das estatuetas de melhor filme junto com El castillo de la pureza e Mecánica nacional em 1973. Leduc morreu em 21 de outubro de 2020, aos 78 anos.