HOMENAGEADOS

PROGRAMAÇÃO

Informações importantes para curtir da melhor forma possível o festival.

Todos os filmes estão disponíveis para exibição gratuita no site (de 15 a 22 de maio).

Todos os filmes entram em cartaz no nosso site às 18h (Acre) e 20h (BSB).

O cerimonial de abertura e de encerramento, assim como todos os debates e mesas redondas acontecem no Youtube do Festival Pachamama – Cinema de Fronteira.

Se você ainda não está inscrito, CLIQUE AQUI.

Também, serão compartilhados no facebook do Festival Pachamama – Cinema de Fronteira.

Assim como nas redes da Casa Ninja Amazônica, que apoia o Festival.

Você também pode nos ajudar a divulgar as atividades, compartilhando em suas redes!

Limite de 300 visionamentos por filme:

Filme de abertura fica 24h e filme de encerramento fica 12h

Mostra competitiva de longas metragens
Disponível por 24 horas

Mostra Cinema é Política
Disponível por 48 horas

Mostra Originários
Disponível por 48 horas

Mostra Amazônia
Disponível por 48 horas com exceção do filme “A última floresta”, que estará disponível por 24hs, com limite de 200 visionamentos.

Mostra Tri-Fronteira
Disponível por 48 horas.

Limite 500 visionamentos por filme:

Mostra Escola de Cinema da Amazônia.
Disponível de 16 a 22 horas.

Foco Geraldo Sarno
Disponível de 16 a 22 de maio.
*com exceção do Filme Sertânia, que estará disponível por 48h.

Limite 200 visionamentos:
Sessão Especial Filme Edna.
Disponível por 24 horas.

1˚ DIA – 15/05/2021 I SÁBADO

CERIMÔNIA DE ABERTURA

Com participação especial da atriz Lucélia Santos e Homenagem ao Cineasta Geraldo Sarno

Redes sociais do Festival, acompanhe:

Casa Ninja Amazônica:

SHOW DE ABERTURA

"Gwandena" de TIMPANA, uma viagem musical de fusão e folk eletrônico (Bolívia)

TIMPANA

É uma artista boliviana multidisciplinar. Ele compõe e produz música a partir da voz, especialmente da sonoridade das canções nativas e populares, misturadas com sons eletrônicos e instrumentos orgânicos. Seu trabalho se materializa em narrativas da cena musical com elementos audiovisual, teatral e performativo.

Gwandena

É um álbum e uma encenação mixagem multimídia electro folk, que mistura sequências eletrônicas com instrumentos nativos e folclóricos, cantado em em quechua, guarani e Espanhol. A narrativa do show é baseada em mitos e ritmos da Amazônia Afro-Andina das terras altas e baixas da Bolívia. Cada canção é um capítulo na jornada de Talina que acompanhada de Jovi (VerdeAzul), empreende um caminho do autoconhecimento, é nesse universo que se conhece GWANDENA.

Acompanhe em nossas redes sociais.

FILME DE ABERTURA

LIBÓRIO

Dir Nino Martínez/99'/ República Dominicana/14 anos/2021

Sinopse:
No início do século 20, Liborio, um camponês, desaparece em um furacão e retorna como um profeta. Ele diz que recebeu uma missão: levar o bem e tirar o mal, curar os enfermos e ensinar pelo exemplo. As pessoas começam a se reunir ao seu lado e se mudam para as montanhas para ter total liberdade e desenvolver o sonho de uma comunidade independente. Tudo muda quando os invasores fuzileiros navais dos EUA querem desarmar e dispersar a comunidade. Libório quer evitar um confronto, mas sabe que não pode fugir para sempre.

2˚ DIA – 16/05/2021 I DOMINGO

MOSTRA COMPETITIVA

LAS RANAS

Dir Edgardo Castro/77'/Argentina/16 anos/2020

Sinopse:
Uma menina de 22 anos e um rapaz de 23. Ela é vendedora ambulante, ambos da periferia, ele está detido na prisão Sierra Chica, Olavarría, por roubo de casas. Visitas na prisão, a solidão dela do lado de fora, a solidão dele no confinamento. Sexo e amor se misturam na Grande Buenos Aires. As rãs, uma história de amor. As rãs, mulheres que buscam o amor nas prisões, atrás das grades. Esta é a história de uma rã, uma jovem mãe, um amor fechado e uma solidão encarnada em uma adolescente.

SUPA LAYME

Dir Fumito Fujikawa/104'/Perú/Livre/2020

Sinopse:
Fumito Fujikawa, diretor japonês, se aproxima da família Supa Layme na puna de Arequipa (a 4700 metros acima do nível do mar), convive com eles, observa o cotidiano deles e o espaço enquanto o vínculo se aproxima.

SESSÃO ESPECIAL HOMENAGEADO - GERALDO SARNO

SERTÂNIA

Dir Geraldo Sarno/97'/Brasil/Livre/2019

Sinopse:
Antão é ferido, preso e morto quando bando de jagunços de Jesuíno invade a cidade de Sertânia. O filme projeta a mente febril e delirante de Antão, que rememora os acontecimentos.

SESSÃO ESPECIAL HOMENAGEADO - FERNANDO SOLANAS

LA HORA DE LOS HORNOS

Dir Fernando Solanas e Octavio Getino/260'/Argentina/Livre/1968

Sinopse:
Notas e testemunhos sobre Neocolonialismo, Violência e Libertação é um ensaio sobre a situação sócio-política na Argentina entre 1945-1968. Foi filmado clandestinamente durante a Guerra Fria, em uma América Latina governada por oligarquias pró-americanas e ditaduras militares. Está estruturado como uma trilogia dividida em capítulos, os segmentos são: Neocolonialismo e Violência, Ato pela Libertação e Violência e Libertação.

SESSÃO ESPECIAL

EDNA

Dir Eryk Rocha/64'/Brasil/Livre/2021

Sinopse:
Vivendo à beira da rodovia Transbrasiliana, na Amazônia brasileira, Edna é testemunha de uma terra em ruínas construída sobre massacres. Criada apenas pela mãe, ela vivencia em seu corpo e no de seus descendentes as marcas de uma guerra que, segundo ela, nunca acabou. Por meio de seus relatos e escritos, o filme constrói uma narrativa híbrida que se move entre a realidade e o imaginário. Tudo é tecido a partir da memória de Edna e seu diário intitulado "História da Minha Vida". Uma vida de guerrilhas, desaparecimentos e desmatamentos, mas também a força das mulheres, rios e matas que insistem em sobreviver. Uma poeta transformada em olhos que apesar de verem não podem falar. Ela sonha sair dali para um lugar que não sabe aonde.

OFICINA

OFICINA PRODUÇÃO DE FILMES COM BAIXO ORÇAMENTO

Camilo Cavalcante

18h (RBR) · 20h (BSB)

3˚ DIA – 17/05/2021 I SEGUNDA-FEIRA

MOSTRA COMPETITIVA

SUBTERRÂNEA

Dir Pedro Urano/83'/Brasil/14 anos/2020

Sinopse:
Sub Sub solo Sub terra Sub mundo Sub desenvolvido Sub América Sub verter Sub liminar Sub alterno Sub mergir Sub way (depois de H.O.)

DÍAS DE INVIERNO

Dir Jaiziel Hernández/85'/México/Livre/2020

Sinopse:
Néstor tem um trabalha à noite como recepcionista de hotel e parece não ter futuro. Sua única opção é ir morar com a irmã nos Estados Unidos, porém, por ser o filho mais novo e o único que continua morando com a mãe, Lilia, não pode tomar a decisão de partir. Lilia, perdeu recentemente o emprego e também está procurando seu caminho. Há uma cabana que amarra os dois ao passado, o reencontro com ela levará a uma mudança em suas vidas.

MOSTRA GERALDO SARNO

VIRAMUNDO

Dir Geraldo Sarno/37'/Brasil/Livre/1964/1965

Sinopse:
Viramundo foi pioneiro ao trazer nova imagem da classe operária brasileira, a do camponês de origem nordestina corrido da seca e da fome, e do surgimento de um sistema religioso neopentecostal, hoje hegemônico no Brasil. No filme, constrói-se de forma circular, do desembarque ao retorno a partir da estação de trem, o circuito da migração de trabalhadores do Nordeste para São Paulo, replicando o vaivém constante dos tangidos de um lado para outro no território nacional. Este site reúne documentação sobre o processo de criação de Viramundo e sua participação e premiação em mostras e festivais no Brasil e em outros países, como o Grande Prêmio concedido ao filme em 1966, na Semana Internacional do Filme 16 mm, em Évian, França, pelo júri presidido pelo cineasta holandês Joris Ivens.

CORONEL DELMIRO GOUVEIA

Dir Geraldo Sarno/90'/Brasil/Livre/1977

Sinopse:
Longa-metragem que questiona a fronteira entre ficção e documentário e traz a narração de cunho documental para a fabulação do drama, Coronel Delmiro Gouveia teve seu primeiro argumento esboçado dez anos antes de ser realizado. Neste site estão reunidos documentos sobre o processo de criação do filme e sua participação em festivais e mostras no Brasil e em outros países. Coronel Delmiro Gouveia venceu os prêmios de Melhor Roteiro e Melhor Trilha Sonora no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, em 1978, e o Grande Prêmio Coral no Festival Internacional do Novo Cinema Latino-americano, em 1979, em Havana, Cuba.

O ULTIMO ROMANCE DE BALZAC

Dir Geraldo Sarno/74'/Brasil/Livre/2010

Sinopse:
Na fronteira entre ficção e documentário, o longa-metragem O último romance de Balzac pensa a criação artística, problematiza a questão da autenticidade e utiliza as potências do falso para questionar a noção de verdade. Segundo observação do crítico Fábio Andrade em texto publicado na revista Cinética em setembro de 2010, “interessa, portanto, menos uma verdade por trás do fato, e mais o fato em si: um filme feito a partir de uma pesquisa, a partir de um livro que, mesmo que falso, contribui na compreensão do objeto ‘verdadeiro’”. O último romance de Balzacvenceu o Prêmio Especial do Júri e o Prêmio de Melhor Direção de Arte no Festival de Gramado, em 2010.

MOSTRA ORIGINÁRIOS

KUNHANGUE ARANDU

Dir Alberto Alvares e Cristina Flória/72'/Brasil/Livre/2021

Sinopse:
O documentário Kunhangue Arandu – A Sabedoria das Mulheres foi realizado na Terra Indígena Jaraguá, no município de São Paulo, no Brasil, nas aldeias Tekoa Ytu, Tekoa Pyau, Tekoa Itakupe, Tekoa Yvy Porã e Tekoa Ita Endy. Revela o universo das mulheres indígenas Guarani, em sua luta pela transmissão e perpetuação de sua cultura, e as formas de resistência para manter o nhandereko, o modo de ser Guarani.

MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA

KOSHI AINBOBO, MUJERES VALIENTES

Dir Giovana García e Flor Isamaat/10'/Peru/Livre/2020

Sinopse:
Koshi Ainbobo, que em Shipibo Konibo significa “Mulheres Valentes”, é um documentário que narra como duas mulheres provenientes de povos originários da Amazônia enfrentam a normalização da violência sexual, a falta de direito de decidir sobre seus próprios corpos e a maternidade, enquanto seguem estudando para realizar seus sonhos de ter uma profissão.

SENTIR KAPANAWA

Dir Jessy Calle Suárez/8'19"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Adan, um jovem Kapanawa, assumiu todos os tipos de riscos para chegar à faculdade e se tornar um professor bilíngue. Sem materiais, nem amigos para praticar, ele tentará não esquecer sua língua nativa e também se formar.

JA CHAMOBICHO BANENI

Dir Gabriela Delgado e Bernabé Mahua/8'12"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Lola é uma velha mulher Shipibo Konibo que testemunhou como a população mestiça desmatou e se apropriou das matas que ancestralmente pertenciam à sua comunidade e por isso não tem acesso aos materiais que encontrou na floresta para fazer seus próprios potes de cerâmica. Lola compartilha conosco de forma muito íntima os reflexos de seu cotidiano ao observar a perda de sua cultura com o passar das gerações.

NIHIKANIMPA, HOMBRE DEL BOSQUE

Dir Gino Machay e Pedro Javier/14'06"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Os costumes e tradições da cultura Amahuaca correm o risco de ser esquecidos, diante dessa realidade o jovem estudante Amahuaca Gino Machay pretende estudar e reivindicar sua própria cultura, para isso descobre e investiga a vida de seu avô e de sua família encontrada em Atalaya - Ucayali.

LA LLUVIA

Miguel Ángel, Christian e Jesús/13'45"/Perú/Livre/2021

Sinopse:
A natureza amazônica é uma dinâmica complexa composta por animais, plantas, comunidades nativas, e o ciclo da água como elemento vital, que perpetua sua existência. Eles coexistiram por incontáveis gerações em perfeita harmonia. A chegada de pessoas estranhas que desconhecem os ciclos naturais, extraem seus recursos e colocam em risco sua perpetuidade. Porém, a selva, por meio da chuva e de seus rios, tem o poder e o conhecimento necessário para se curar e restaurar tudo.

YANCHAMBA

Dir André Casana Rodríguez e Kalin Santos Méndez/19'53"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Jhon (28), um jovem pescador da comunidade Cushillococha, é convidado pelos Apu (68) da comunidade para o “mamilo” de sua neta, cerimônia tradicional da etnia Ticuna que celebra a iniciação das mulheres à vida adulta .
Um requisito peculiar para que ele possa participar desse festival será comparecer vestido com um traje típico feito com a casca de uma árvore milenar, a ancestral Yanchama; Isso levará Jhon a empreender uma arriscada expedição na companhia de seu melhor amigo Edilson (27), descobrindo juntos, após a árdua busca por essa árvore, sua escassez em todo o território; Porém, no meio dessa viagem, surge Martín (52), um velho e sábio artesão de Yanchama, que revelará a Jhon uma alternativa inesperada.
A partir disso, a trama de Jhon torna-se um pretexto para a preservação da biodiversidade e a valorização dos costumes de sua comunidade.

RAOMIS AIMBO

Dir Gabriela Delgado Maldonado/18'15"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Carolina é uma indígena amazônica Shipibo Konibo que adquiriu seus conhecimentos sobre plantas medicinais através de seus sonhos. O sonho de Carolina é que o conhecimento ancestral não se perca e que sua comunidade veja a floresta novamente como uma farmácia viva.

JIWI BEWAI, EL ÁRBOL QUE CANTA

Dir Martín Rebaza/10'08"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Jorge tem 82 anos, é um dos primeiros habitantes da comunidade indígena “Santa Teresita” e o único de sua comunidade que transmite o canto das árvores. Em sua idade avançada, ele nos fala sobre seu cotidiano, solidão, abandono e sabedoria ancestral que vai perdendo gradativamente o interesse pelos habitantes de sua comunidade.

KENE, MEMÓRIA VIVA DE LA NATURALEZA

Dir Shimpu Arte e Ombeline Guillaume/9'20"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Araceli procura a avó para aprender mais sobre o kené, os padrões geométricos típicos dos designs do Shipibo. A velha não se lembra da origem do kené e recomenda que ela procure uma planta visionária que transmita sua memória perdida.

PACHAKA

Dir Tsinaki Samaniego Pascual e Fabio Mosca Farfán/13'17"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Pachaka (52) relata seus passeios na floresta, quando andou de mãos dadas com seu avô, um professor, que lhe ensinou a linguagem dos seres da floresta, mesmo reconhecendo seu próprio aprendizado e podendo curar com ele. Hoje, na comunidade essas linguagens da floresta já estão se perdendo, onde Pachaka resiste em preservar o conhecimento das plantas, nos ensina o uso de Iwenki, nos contando sobre sua primeira cura, a sabedoria das avós e plantas femininas como a Maniki, que cuida, limpa e preserva os cabelos. Pachaka nos ensina uma das técnicas mais antigas de sua comunidade para a limpeza dos males, a Evaporação, durante a preparação desta ele levanta sua voz em defesa da floresta e de seu povo.

AIRATSU

Dir Gabriela Olivera Hidalgo/9'50"/Perú/Livre/2019

Sinopse:
As mulheres de San Miguel, Centro Mariankiari, aprendem a ter a primeira menstruação, como parte de um ritual de iniciação à vida reprodutiva. Com as avós da comunidade ensinaram-nos a aprender a valorizá-la e a utilizá-la da forma habitual e a ceder à modernidade.

DEBATE

DEBATE DO FILME EDNA

Conversa com o diretor do filme Eryk Rocha
Convidados: Renato Vallone, Gabriela Carneiro da Cunha e Waldir Xavier
Mediador: Sérgio Carvalho.

Das 15h às 16h30 (RBR)/17h às 18h30 (BSB)

MESA

Sertânia um breve fluxo do agora - Uma reflexão sobre a vida e obra de Geraldo Sarno

Geraldo Sarno (Diretor de Sertânia), Renato Vallone (Montador de Sertânia), Miguel Vassy (Fotógrafo de Sertânia), Euclides Santos Mendes  (Estudioso da obra de Geraldo Sarno) com a mediação de Solange Lima (Produtora), conversam sobre a vida e obra de Geraldo Sarno e sobre o seu mais recente filme, "Sertânia".

Das 17h às 18h30 (RBR) / 19h às 20h30 (BSB)

4˚ DIA – 18/05/2021 – TERÇA– FEIRA

MOSTRA COMPETITIVA

VISIÓN NOCTURNA

Dir Carolina Moscoso Briceño/80'/Chile/14 anos/2019

Sinopse:
Oito anos depois de ser estuprada em uma praia perto de Santiago, um jovem cineasta cria um caleidoscópio com dezenas de diários de vídeo, em que aparecem as feridas do abuso, os processos judiciais revitimizantes e a amizade que o acompanha. Desta viagem surge a pergunta: O que é realmente estupro e quando termina?

A MESMA PARTE DE UM HOMEM

Dir Ana Johann/99'/Brasil/14 anos/2021

Sinopse:
Renata vive isolada no interior com sua filha adolescente e seu marido, compreendendo o medo como um sentimento comum. A chegada de um desconhecido desperta nela o desejo por tudo o que estava adormecido.

MOSTRA GERALDO SARNO
MOSTRA ORIGINÁRIOS

YAÕKWA: IMAGEM E MEMÓRIA

Dir Rita Carelli e Vincent Carelli/21'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
O Vídeo nas Aldeias realizou com os índios Enawenê Nawê, durante quinze anos, extensos registros do Yaõkwa, seu mais longo ritual, em que os mestres de cerimônia puxam, durante sete meses, uma miríade de cantos, a fim de manter o equilíbrio do mundo terreno como mundo espiritual. Neste filme, outros quinze anos mais tarde, os Enawenê Nawê reencontram essas imagens e, com elas, parentes falecidos, costumes que caíram em desuso e preciosos cantos rituais.

MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA
MOSTRA CINEMA É POLÍTICA

PANO DE CHÃO

Dir Pedro Sá Earp/22'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Roosivelt Pinheiro é um artista plástico do Amazonas radicado no Rio de Janeiro. Desde 2016 ele produz panos de chão com o rosto de políticos estampados. Ele sai pela cidade para vender os panos em feiras livres e manifestações políticas.

SERVIDÃO

Dir Renato Barbieri/72'/Brasil/Livre/2019

Sinopse:
Longa documental sobre o trabalho escravo contemporâneo com foco na Amazônia brasileira. Com narração de Negra Li, o documentário é um contundente registro sobre uma das maiores mazelas do Brasil.

SESSÃO ESPECIAL HOMENAGEADO - PAUL LEDUC

REED, MÉXICO INSURGENTE

Dir Paul Leduc/124'/México/Livre/1970

Sinopse:
Em 1913, o jornalista americano John Reed mudou-se para o México para investigar as origens e a situação atual da Revolução Mexicana iniciada em 1910. Com filiação comunista, Reed sente-se profundamente atraído por um movimento popular sem precedentes no novo continente devido à grande magnitude dos meios armados envolvidos e suas prováveis ​​repercussões político-sociais em todo o mundo. Para chegar ao líder da poderosa força rebelde chamada Divisão Norte, General Francisco Villa, o escritor se relaciona inicialmente com um de seus homens fortes, o General Tomás Urbina. Dia a dia, Reed recupera e documenta as tarefas militares e os princípios ideológicos dos revolucionários. Depois de um ano e meio, o próprio repórter larga a caneta e pega em armas.

MESA

Cinema em tempos de cólera - Integração Cinematográfica Latina-Americana e seus atravessamentos

Debate acerca da produção cinematográfica contemporânea na América Latina, feita fora dos eixos tradicionais de produção, refletir sobre esta realidade a partir da experiência do Brasil e Bolívia principalmente.

Convidados:
Marcelo Ikeda
Alba Balderrama
Mediadora:
Clemilson Farias

Das 16h às 17h (RBR) / 18h às 19h (BSB)

5˚ DIA – 19/05/2021 I QUARTA – FEIRA

MOSTRA COMPETITIVA

SIRENA

Dir Carlos E. Piñeiro P./76'/Bolívia/Livre/2019

Sinopse:
Quatro pessoas chegam a uma ilha remota em busca do cadáver de um amigo desaparecido no lago Titicaca.Os aymara que o encontram se recusam a devolver o corpo por temer que isso tenha um impacto fatal nas colheitas futuras.

RIO TURBIO

Dir Tatiana Mazú González/82'/Argentina/Livre/2020

Sinopse:
Segundo o mito ainda vigente nas aldeias carboníferas da Patagônia, se uma mulher entrar em uma mina, a terra fica com ciúmes. Então ocorre o colapso e a morte. Rio turvo começa a partir de uma experiência pessoal e sombria para se transformar em um filme sobre o silêncio das mulheres que habitam aldeias masculinas. Como filmar onde a nossa presença é proibida? Como registrar as ressonâncias do que não soa? Enquanto a neblina e a fumaça da usina cobrem a cidade, as vozes das mulheres do Rio Turvo abrem caminho entre o gelo branco e o zumbido das perfuratrizes, até que se explode a estrutura do silêncio.

MOSTRA GERALDO SARNO
MOSTRA AMAZÔNIA

SUPER PANC ME

Dir Marcus Vinícius de Oliveira/55'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Gabriela é blogueira e entregadora de açaí na cidade de Macapá. Ao se deparar com problemas financeiros e pessoais acaba conhecendo Jonas e decide fazer um documentário passando 21 dias comendo apenas PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais).

MOSTRA ORIGINÁRIOS

Yãmiyhex: As Mulheres-Espírito

Dir Sueli Maxakali e Isael Maxakali/76'/Brasil/Livre/2019

Sinopse:
Após passarem alguns meses na Aldeia Verde, as yãmĩyhex (mulheres-espírito) se preparam para partir. Os cineastas Sueli e Isael Maxakali registram os preparativos e a grande festa para sua despedida. Durante os dias de festa, uma multidão de espíritos atravessa a aldeia. As yãmĩyhex vão embora, mas sempre voltam com saudades dos seus pais e das suas mães.

MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA
MOSTRA CINEMA É POLÍTICA

#eagoraoque

Dir Jean-Claude Bernardet e Rubens Rewald/70'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Como agir hoje politicamente? É possível mudar as coisas, as pessoas, a sociedade? E agora, o que fazer? Um intelectual e suas contradições.

MOSTRA TRI FRONTEIRA - PERU

TELONERAS

Dir Rómulo Sulca Ricra/82'/Perú/Livre/2019

Sinopse:
Teloneras é um documentário coral, que retrata a vida de mulheres em seus diferentes estágios e idades, que desejam ser as próximas estrelas da música vernácula andina. Este trabalho segue a trajetória de Suliana García, Kelly Castellanos, Yhadira Sullca, Frida Gutiérrez e a trans "Shandu", que apesar de suas diferenças perseguem o mesmo objetivo.

MESA

Escola Amazônica de Cinema

Nesta mesa conversaremos com o cineasta peruano Fernando Valdivia sobre formação cinematográfica na Amazônia, a partir da experiência da "Escuela Amazônica de Cine de Pucallpa".

Convidados:
Fernando Valdivia
Gabriela Delgado
Bernabé Mahua
Mediadora:
Clemilson Farias

Das 17h às 18h30 (RBR) / 16h às 17h30 (Pucallpa)

6˚ DIA – 20/05/2021 I QUINTA – FEIRA

MOSTRA COMPETITIVA

CHACO

Dir Diego Mondaca/80'/Bolívia e Argentina/Livre/2020

Sinopse:
1934, a Bolívia está em guerra com o Paraguai. Um grupo de soldados indígenas aimarás e quíchuas é comandado pelo capitão, um oficial alemão aposentado que luta pelo exército boliviano.

LA CHUCHA PERDIDA DE LOS INCAS

Dir Fernando Gutiérrez/83'/Perú/14 anos/2019

Sinopse:
A história desta viagem tem seu ponto de partida nos mapas dados ao diretor pelo psicólogo e artista plástico Mario Poggi onde se aponta a possível localização de um santuário que ele chama de La Chucha Perdida de los Incas. Enquanto Poggi conduz o diretor em busca dessa civilização perdida em viagens de sonho, surgem questões sobre a figura paterna. Assim, o realizador, através da sua ligação a personagens únicos, reflete sobre a ausência de imagem paterna na nossa nação e sobre as nossas origens humanas.

MOSTRA GERALDO SARNO
MOSTRA ORIGINÁRIOS

A FLECHA E A FARDA

Dir Miguel Antunes Ramos/85'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Cinquenta anos depois de sua feitura, reaparece a filmagem da formatura da primeira e única turma da Guarda Rural Indígena. Em 1970, oitenta indígenas marcharam, fardados, no pátio de uma delegacia, para a cúpula do regime militar. Cinquenta anos depois, o filme busca estes guardas - seus corpos, suas histórias, suas memórias. As fraturas, os silêncios, aquilo que permanece e aquilo que se perde na violenta história brasileira.

MOSTRA AMAZÔNIA

POR ONDE ANDA MAKUNAÍMA?

Dir Rodrigo Séllos/84'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Por onde anda Makunaíma? faz um resgate histórico e cultural daquele que é o personagem ficcional mais identificado com um certo jeito de ser brasileiro. A começar por Makunaima, mito de origem de etnias da tríplice fronteira Brasil-Venezuela-Guiana, registrado em livro pela primeira vez no início dos anos de 1910, pelo etnólogo alemão Koch-Grünberg. É ele quem faz a ponte entre o extremo norte da América do Sul com o Brasil não-indígena, por meio de Mário de Andrade, célebre autor da rapsódia Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de 1926. Em 1969, Joaquim Pedro de Andrade lança a sua versão dessa história, o filme mais censurado do Cinema Novo. Em 78, Antunes Filho leva Macunaíma para o teatro. Em 1983, Macunaíma volta para o cinema como Exu-Piá, de Paulo Veríssimo, filme selecionado para o Festival de Berlim em 1985, mas não exibido. Com depoimentos em português, alemão, espanhol, macuxi e taurepang, o filme retorna a esse personagem que já nasce múltiplo e segue contemporâneo.

MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA
MOSTRA CINEMA É POLÍTICA

ENTRE NÓS TALVEZ ESTEJAM MULTIDÕES

Dir Aiano Bemfica e Pedro Maia de Brito/92'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Entre nós talvez estejam multidões propõe uma jornada experiencial através da Ocupação Eliana Silva, ao longo da campanha que elegeu Bolsonaro, na recente ascensão do fascismo ao poder no Brasil. O filme é conduzido pela profundidade dos sujeitos que vivem na comunidade e onde, por meio de seus sonhos, desejos, contradições e lembranças, constituem o imaginário desse microcosmos construindo um documentário que se articula como uma pintura mural.

MOSTRA TRI FRONTEIRA - BOLÍVIA

PUERTO ESCONDIDO

Dir Gabriela Paz/76'/Bolívia/Livre/2020.

Sinopse:
Em 1879, a Bolívia perdeu seu acesso ao mar em uma guerra. Quando eu era criança, não entendia como o tínhamos perdido; pensava que os chilenos haviam levado em baldes. Trata-se de um diário de paisagens interiores, mitos, personagens e contradições, num país que a cada dia revive esta perda.

MESA

ENCONTRO DE FESTIVAIS DE CINEMA DA AMAZÔNIA LEGAL

20 e 21/05/21 O Encontro de Festivais de Cinema da Amazônia Legal, nasce com o objetivo de promover o intercâmbio e networking entre os festivais de audiovisual realizados nos nove Estados que compõem a Amazônia Legal, juntos debatermos acerca dos desafios e perspectivas de se produzir festivais na Amazônia.

Convidados:
Festival Pachamama - Cinema de Fronteira (AC)
Festival Olhar do Norte (AM)
Festival Imagem-Movimento - FIM (AP)
Amazônia Doc (PA)
Toró (PA)
Cine Amazônia (RO)
Guaporé Festival Internacional de Cinema Ambiental (RO)
Festival Chico (TO)
Maranhão na Tela (MA)
Festival Guarnicê de Cinema (MA)
CineMato - Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá (MT)
Mostra Saberes Amazônicos (RR)
Festival Tudo Sobre Mulheres (MT)
MATAPI - Mercado Audiovisual do Norte (AM)
Mediação:
Karla Martins

17h às 19h (RBR) / 19h às 21h (BSB)

7˚ DIA – 21/05/2021 I SEXTA – FEIRA

MOSTRA COMPETITIVA

HARLEY QUEEN

Dir Carolina Adriazola e José Luis Sepúlveda/100'/Chile/16 anos/2019

Sinopse:
Uma mulher anseia por encontrar sua identidade através de uma personagem supervilã, dançarina e mãe, no setor de Bajos de Mena, ou o que eles chamam de “o maior gueto do Chile”, em Puente Alto, em Santiago.

NOSOTROS, LOS BÁRBAROS

Dir Juan Alvarez-Durán/85'/Bolívia/Livre/2020

Sinopse:
Uma viagem em busca de uma escrita original, uma encenação da cultura aimará, um filme que mergulha nas dobras da representação quando é rotulado de documentário, uma obra de arte na modernidade do cinema.

MOSTRA GERALDO SARNO
MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA
MOSTRA ORIGINÁRIOS

NUHU YÃG MU YÕG HÃM: Essa Terra É Nossa!

Dir Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu e Roberto Romero/70'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Antigamente, os brancos não existiam e nós vivíamos caçando com os nossos espíritos yãmĩyxop. Mas os brancos vieram, derrubaram as matas, secaram os rios e espantaram os bichos para longe. Hoje, as nossas árvores compridas acabaram, os brancos nos cercaram e a nossa terra é pequenininha. Mas os nossos yãmĩyxop são muito fortes e nos ensinaram as histórias e os cantos dos antigos que andaram por aqui.

MOSTRA TRI FRONTEIRA - BRASIL

UM DIA QUALQUER

Dir Pedro Von Krüger/88'/Brasil/Livre/2020

Sinopse:
Sob as máscaras e fantasias de mais um dia no subúrbio carioca, se esconde a intensa realidade das famílias e vizinhos que vivem em um bairro sob o domínio da expansiva milícia carioca.

SESSÃO ESPECIAL DE ENCERRAMENTO DA MOSTRA AMAZÔNIA

A ÚLTIMA FLORESTA

Dir Luiz Bolognesi/74'/Brasil/Livre/2020.

Sinopse:
Em um grupo Yanomani isolado na Amazônia, o xamã Davi Kopenawa Yanomani tenta manter vivos os espíritos da floresta e as tradições, enquanto a chegada de garimpeiros traz morte e doenças para a comunidade. Os jovens ficam encantados com os bens trazidos pelos brancos; e Ehuana, que vê seu marido desaparecer, tenta entender o que aconteceu em seus sonhos.

MESA

ENCONTRO DE FESTIVAIS DE CINEMA DA AMAZÔNIA LEGAL

20 e 21/05/21 O Encontro de Festivais de Cinema da Amazônia Legal, nasce com o objetivo de promover o intercâmbio e networking entre os festivais de audiovisual realizados nos nove Estados que compõem a Amazônia Legal, juntos debatermos acerca dos desafios e perspectivas de se produzir festivais na Amazônia.

Convidados:
Festival Pachamama - Cinema de Fronteira (AC)
Festival Olhar do Norte (AM)
Festival Imagem-Movimento - FIM (AP)
Amazônia Doc (PA)
Toró (PA)
Cine Amazônia (RO)
Guaporé Festival Internacional de Cinema Ambiental (RO)
Festival Chico (TO)
Maranhão na Tela (MA)
Festival Guarnicê de Cinema (MA)
CineMato - Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá (MT)
Mostra Saberes Amazônicos (RR)
Festival Tudo Sobre Mulheres (MT)
MATAPI - Mercado Audiovisual do Norte (AM)
Mediação:
Karla Martins

17h às 19h (RBR) / 19h às 21h (BSB)

8° DIA – 22/05/2021 I SÁBADO

CERIMÔNIA DE PREMIAÇÃO E ENCERRAMENTO

Redes sociais do Festival, acompanhe:

Casa Ninja Amazônica:

MINI CONCIERTO DE ENCERRAMENTO

MINI CONCIERTO PARA ‘BAILAR

Para ‘Bailar’ é um mini concierto que traz canções da memória afetiva da sua intérprete: Camila Cabeça, acompanhada dos músicos e João Gabriel Brito ( percussão) e Maiara Rio Branco (violão e direção musical).Com bons motivos para dançar, pois é um tratado sonoro, de estética sobre a amazoneidade latina musicada, dessa diáspora que faz a interseccionalidade dos sentidos, e das profusões latino-americana rememorando clássicos inesquecíveis.

Você está convidado a seguir as nossos canais on-line para acessar as nossas redes sociais para ficar por dentro de toda a programação do Festival.

Acompanhe em nossas redes sociais.

FILME ENCERRAMENTO

KING KONG EN ASUNCIÓN

Camilo Cavalcante/90'/Brasil/14 anos/2020

Sinopse:
Um velho matador de aluguel está escondido no interior da Bolívia, na região desértica do Salar de Uyuni. Acabou de cometer o seu último assassinato. Após meses isolado, ele viaja para o interior do Paraguai onde recebe uma boa recompensa e segue para Asunción com o objetivo de encontrar a sua única filha, a qual nunca conheceu. Esta viagem por dentro de si mesmo, seguido apenas por sua fiel companheira, a morte, acaba despertando instintos primários no velho matador, que explode em fúria e desespero pelas ruas da capital paraguaia em busca de afeto, como o King Kong aturdido em New York.

MOSTRA GERALDO SARNO
MOSTRA ESCOLA DE CINEMA DA AMAZÔNIA